Manaus AM 15.05.20 Sepultamentos no Cemitério Nossa Senhora Aparecida. causado pela Pandemia do Covid-19 Foto: Alex Pazuello/Semcom

Nesta terça-feira, 16, o número de mortes por covid-19 notificadas no Brasil em um só dia, beirando três mil, foi equivalente ao número de mortes causadas pelo atentado ao World Trade Center, em Nova Iorque, há quase 20 anos, em setembro de 2001.

Em 2018, já pré-candidato à presidência da República e durante uma viagem que fez aos EUA com sua prole, Bolsonaro disse assim: “Se você pegar os anais da Câmara dos Deputados, não encontra um só pronunciamento dos deputados do PT e do PCdoB condenando os ataques aqui”.

Era mentira, só para variar um pouco, conforme demonstrou na época a agência de fact-checking Lupa. Bolsonaro, ele sim – quer dizer, ele não – , quem em 2001 era deputado federal pelo PPB-RJ, ocupou a tribuna da Câmara naqueles dias não exatamente para condenar os ataques terroristas nos EUA. Por certo, vendo as imagens, um avião se espelhando em seu olhar até sumir atiçou forte sua conhecida pulsão de morte.

Dois dias depois dos atentados ao WTC, Bolsonaro, ocupou a tribuna da Câmara para acusar Fernando Henrique Cardoso de querer “tirar proveito politiqueiro de um grave episódio ocorrido nos Estados Unidos”, e para acusar Geraldo Quinhão, que era ministro da Defesa de FHC, de ser “o Bin Laden das Forças Armadas” brasileiras: “ele está destruindo as Forças Armadas”.

Caso alguém se afobe para levantar a palavra de ordem de que Bolsonaro, hoje, é o Bin Laden do Brasil, por favor, não se anime: não há comparação.

Osmar e Rachid

Há um ano Osmar Terra tirou da bola de cristal lisinha que carrega no cocuruto que no Brasil não morreria mais que um total de 2.100 pessoas de covid-19. Há 20, quando já era deputado federal pelo PMDB-RS, consternou-se e preocupou-se com “o horror que se estabeleceu com os atentados terroristas ocorridos nos Estados Unidos”.

Já Flavio Rachid Bolsonaro, quando do episódio da facada em Juiz de Fora, em setembro de 2018, repercutiu no seu Instagram uma postagem da conta do PSL que dizia: “há dezoito anos um atentado nos Estados Unidos chocava o mundo inteiro: o ataque às Torres Gêmeas. Há um ano, o Brasil sofria um ataque à democracia: Jair Bolsonaro foi esfaqueado em meio a um ato público. Dois episódios que impactaram a sociedade e deixaram marcas na história”.

‘O avião passou’

No ano seguinte, em abril de 2019, Rodrigo “Não há motivo para Impeachment” Maia dizia, a respeito dos primeiros 100 dias do governo Bolsonaro, que “ele [Bolsonaro] tem mais condições, mais conhecimento, já começou a compreender melhor o que é governar o Brasil”, emendando que “foram 100 dias com turbulência, mas o avião passou”.

Maia disse o que disse sobre o avião no Fórum Veja Exame, realizado no… World Trade Center, o do Brooklin Novo, Zona Sul de São Paulo.

Uma resposta em “O que disseram o genocida e seus cúmplices sobre os mortos do World Trade Center”

Comentários estão fechados.