Na semana em que o Brasil começou a contar mais de três mil mortos por dia pela covid-19, o Exército de Caxias – e de Pazuello – pôs nas ruas de três municípios contíguos do Sul Fluminense uma simulação de decreto de Garantia da Lei e da Ordem (GLO).

O exercício, com blitzes e prisões fingidas, tiros de festim, patrulhamento, bombas e rasantes de helicópteros, começou na última segunda-feira, 15, e vai até o sábado 27 nas cidades de Resende, Porto Real e Quatis e envolve cerca de 350 militares da Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), que brindou o Brasil com a única pessoa que hoje pode decretar GLO neste país, Jair Bolsonaro (formou-se na Aman em 1977), além do até ontem ministro da Saúde deste verme, Eduardo Pazuello (1984).

A simulação de GLO começa todo dia às 9h e vai até as 19h. Nesta quarta-feira, 17, faltando poucos minutos para as 19h, podia-se ouvir em toda a cidade de Resende, onde fica a Aman, sons de rajadas, explosões e o vaivém de helicópteros no já escuro do céu.

Neste mesmo horário, à beira das 19h, começava a circular a notícia de que o Brasil tinha registrado 3.149 notificações de mortes por covid-19 em 24 horas, além de 100 mil novos casos da doença. Alguém que não soubesse do exercício da Aman poderia supor que tinha gente comemorando que esteja morrendo gente a granel.

Na semana passada, antes do início da simulação de GLO, um major da Aman disse a um jornal local que:

“Esse exercício é um combate simulado num contexto diferente do que estamos acostumados a observar. É um conflito interno, onde o inimigo que os nossos cadetes estarão simulando enfrentar não é um exército regular, e sim forças irregulares que podem ser organizações criminosas, terroristas, insurgentes e narcotraficantes”.

E que:

“O cadete vai treinar num combate simulado muito próximo ao que vai se deparar logo depois de formado”.

“Combater o inimigo interno” logo depois de formado. Que cadete quer isso? Que cadete não quer?

9 respostas em “Enquanto morrem três mil por dia, Exército simula GLO”

  1. As forças armadas são chamadas para resolver todas as situações difíceis do país. Seus oficiais devem ser treinados nessas condições. Além do mais, li a matéria completa e todas as medidas de distânciamento foram respeitadas. Matéria sem nenhuma credibilidade essa.

  2. “O Exército pode passar cem anos sem ser usado, mas não pode passar um minuto sem estar preparado.” – Rui Barbosa.

  3. Essa é uma atividade essencial.
    Como os serviços de Saúde.
    Tem que ter.
    Não pode ter é aglomeração de bebedeira como vi na Rua Uruguaiana tentei denunciar e não tem ninguém. Liguei pra PM e pra Disk Aglomeração e e a ligação chega a 8 minutos e cai.
    As forças armadas precisam continuar fazendo a formação de seu alunos. E eles já fizeram o juramento de morrer pela pátria.
    Gente primitiva é que se aglomera pra fazer festinha privê morro Vidigal, ou em Angra ou em Búzios.
    Gente alienada é que não usa máscara e que não toma vacina.

  4. Quando o Lockdown aumentar a violência urbana e gerar o caos social, vão querer apoio das Forças Armadas, justamente numa atividade de GLO.

  5. Art 142. As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem.
    * Pergunto ao redator da edição como o Exército Brasileiro pode realizar sua preparação para cumprir sua missão Constitucional!? Vidas importam, porém como já foi colocado: O EXÉRCITO BRASILEIRO pode passar um século sem ser empregado, porém não pode passar um segundo sem estar preparado!!!

Comentários estão fechados.